O profissional de segurança patrimonial deve estar dentro de um dos níveis de gestão. Podemos classificar esses níveis na seguinte ordem: 1. Operacional – que tem uma visão voltada para as operações e fiscalização das atividades, cumpre metas e processos a ele definidos e estabelecidos; 2. Administrativo – que está voltado exclusivamente para os controle e suporte administrativo, lida e controle dados, registros, indicadores, e parte documental; 3. Estratégico – esse já tem uma visão macro do negócio, experiência na função gerencial, com habilidades de negociar, capacidade de estabelecer metas, medir resultados com indicadores, amplo conhecimento das legislações pertinentes as atividades e amparos legais, tratar dos regulatórios, comunicação adequada com as pessoas envolvidas (nas linhas vertical e horizontal) e relação entre outras áreas de sua organização. O nível estratégico é de uma visão geral e ampla que abrange desde controles de acessos físicos e/ou sistêmicos, compliance, mitigação e gestão de riscos, gestão dos recursos humanos, criação e gestão de processos, gestão de Opex e Capex geralmente com orçamentos anuais e com base no negócio e disponibilidade de verbas de investimentos e manutenção das operações. O gestor no nível estratégico deverá ser um conhecedor sênior não só de segurança patrimonial e sua legislação, mas, também ser um estudioso e entender dos regulatórios da organização o qual representa. pois, sabemos que os processos de segurança devem se adequar as atividades fins das organizações tais como exemplo: construção civil, indústria, comércio, têxtil, logístico, religioso, elétrico, telecomunicações, petrolífero, fabril, etc. assim sendo, os processos de segurança e os perfis dos profissionais empregados não poderão se conflitar com os processos, diretrizes políticas do negócio principal da organização. Partindo do principio que “segurança pública é dever do estado, direito e responsabilidade de todos” conforme estabelecido no art. 144 da CF/88, esse gestor deverá ter conhecimento e um bom relacionamento com os orgãos de segurança pública para trocas de ideias, estratégias e apoio para as prontas respostas em tempo no mínimo razoável. lógico, tudo dentro da lei.   O gestor de segurança para chegar no nível estratégico é necessário concluir curso superior, pós-graduação e até doutorado, possuir certificações que afiram e atestem seus conhecimentos, deve ser um pesquisador e se manter atualizado sempre.

Publicado por

Antonio Mota, CPSI

Antonio Mota, CPSI

Doctor in Security Sciences, Ph.D. (Gestão Estratégica e Operacional, Consultoria, Treinamentos e, Processos GESP/PF)